Jornalista Jarbas Cordeiro de Campos

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Jornalista formado pela FAFI-BH,especializado em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela ESPMG. "O Tribunal Supremo dos EUA decidiu que "só uma imprensa livre e sem amarras pode expôr eficazmente as mentiras de um governo." Nós concordamos."

26 agosto 2006

É PRECISO RENOVAR MAIS, MUITO MAIS


O índice de renovação da Câmara dos Deputados após as eleições deve chegar a 62%, segundo estimativa do Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar). Historicamente os índices de renovação da Câmara oscilam entre 40% e 60%. Em 2002, o índice de renovação foi de 46%.O percentual deve aumentar porque os técnicos do Diap acreditam que os eleitores devem rechaçar nas urnas os candidatos suspeitos de envolvimento com denúncias, como a máfia das ambulâncias e o mensalão.A expectativa é que o eleitorado opte por nomes novos para tentar "limpar" a Câmara. Seria uma reação à decisão do plenário da Câmara, que negou o pedido de cassação de 11 mensaleiros, por exemplo. Leia mais aqui.

5 comentários:

cilene disse...

nao deveria e voltar ninguem....oh Deus do ceu..sera que nunca vamos aprender a votar

Keikas disse...

putz só 62% é porquinho, ainda mais com canalhas candidatos...
bjka e bom domingo
aqui tb nubladão, falta cair a danada da aguá....

Blogue da Magui disse...

Eu vou votar em deputadas que buscam a reelei�ao.Ambas, estadual e federal, nao estao envolvidas em corrupcao e nao estao ligadas a grupos de gente safada.Eu as conheco pessoalemnte desde qd comecaram.So gente inexperiente tambem da problemas.

Stella disse...

olá Jarbas, obrigado pela visita, estou bem sim :-)
eu desejo ver o Congresso 100% renovado
mas é esperar demais ....

Valter Abrucez disse...

Se o índice de renovação da Câmara costuma ir de 40% a 60%, não vejo grande vantagem que chegue a 62%. Digo mais: não se trata de renovação, mas de substituição. Troca de seis por meia dúzia. Digo mais ainda: essa hipotética renovação não se processará por reação do eleitorado aos corruptos, mas porque, como os dados históricos revelam, isso é natural. E arrisco: estarão de volta Severino Cavalcante (o do restaurante) e Valdemar Costa Neto (o da bolada de 10 milhões de reais) que renunciaram. Assim como voltarão João Paulo Cunha e um bando de gente pega em flagrante, mas de cujos nomes o eleitor se esquece ou continua apoiando em troca do que todos nós sabemos