Jornalista Jarbas Cordeiro de Campos

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Jornalista formado pela FAFI-BH,especializado em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela ESPMG. "O Tribunal Supremo dos EUA decidiu que "só uma imprensa livre e sem amarras pode expôr eficazmente as mentiras de um governo." Nós concordamos."

08 agosto 2006

COBERTOR CURTO DA POLÍTICA


"Domingo, dois tucanos saíram defendendo o voto distrital. O primeiro, em artigo no Estado, foi o ex-presidente Fernando Henrique, para quem “a hora da reforma política soou”. O segundo foi o candidato Geraldo Alckmin, em declarações reproduzidas nos jornais de hoje.
Foi nisso, embora não só nisso, que deu a apologia da “reforma profunda” para o saneamento dos vícios políticos nacionais, que o presidente Lula passou a fazer.
A mídia não pode deixar essa canoa furada correr solta.
Primeiro, porque ainda está para nascer uma estrutura política imune à corrupção, se ela fizer parte da cultura política do país.
Segundo, porque se pode discutir até o fim dos tempos, sem chegar a uma conclusão, qual sistema – o conjunto das regras do jogo político, eleitoral e parlamentar – mais ajuda ou mais inibe a corrupa. Pois sistemas iguais podem produzem resultados diferentes de país para país conforme uma pá de fatores, entre elas a já referida cultura política nacional.
Terceiro, porque a ventilação do assunto – sem que se responda antes, detalhadamente, à pergunta “Reforma política para quê?” – dá margem a proposições que são piores do que trocar seis por meia dúzia, como essa poção mágica do voto distrital defendido por FH e Alckmin." Fonte: Luiz Weis, em Verbo Souto

4 comentários:

Euza Noronha disse...

Oi meu querido! Tou eu aqui de novo lendo todos os seus textos. Gostei especialmente do MUDAR E TRANSFORMAR É A SOLUÇÃO. Tb acredito nisso e é nisso que aposto.
Acredito que precisamos urgentemente investir na mudança de cultura para que o povo brasileiro possa entender a necessidade de se responsabilizar pelos rumos deste país.
Beijo grande e ótima semana pra vc.

Euza

Jussara disse...

ALCKMIN DESPENCA LULA SOBE!


E TOME BANHO DE ÁGUA FRIA!!




08/08/2006 - 12h21mCNT/Sensus:

O Globo


Alckmin perde 7,5 pontos, Lula e Heloisa sobem
Adriana Vasconcelos - O Globo
O tucano Geraldo Alckmin perdeu 7,5 pontos percentuais na pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta terça-feira em relação à pesquisa de julho. No voto estimulado, aquela em que o entrevistador menciona os nomes dos candidatos, Alckmin caiu de 27,2% em julho para 19,7% em agosto. Já as intenções de voto no presidente Luiz Inácio Lula da Silva subiram de 44,1% para 47,9% entre julho e agosto. A senadora Heloisa Helena, do PSOL, que tinha 5,4% das intenções de voto em julho, tem agora 9,3%. Indecisos, brancos e nulos somam em agosto 20,9%, contra 20,0 em julho. Com o resultado, o presisente Lula seria reeleito no primeiro turno

Jussara disse...

ALCKMIN NO JN, VEXAME TOTAL!
Foi um verdadeiro vexame a entrevista que Alckmin deu ontem no JN. Ele mostrou que é totalmente despreparado para governar um estado, quanto mais o Brasil. Não sabia os números ruins da educação no estado de SP que governou por 5 anos – Fátima Bernardes, apresentadora do JN, insistiu na pergunta porque ela tinha os números mostrando como a educação em SP piorou nos últimos anos. Alckmin embananou-se todo e não soube responder. Perguntado sobre ética, por que seu partido, o PSDB, não puniu Azeredo, senador por MG, por ter sido o criador valerioduto em 1998, comprovadamente useiro e vezeiro de dinheiro de estatais de MG em caixa 2, ele desconversou, enrolou, ficou de fru-fru e não respondeu. Quando perguntado por que engavetou 69 CPIs para investigar seu governo, aliás como seu mentor FHC, ele misturou as estações, tocou um apito, e não respondeu coisa com coisa. Sobre o crime organizado que está barbarizando SP, a resposta foi tão incompetente como foram os seus 5 anos de governo, que levaram SP a este caos de violência. Disse:"não podemos retroagir, não devemos retroagir, temos o dever de enfrentar". Parecia um papagaio destrambelhado. Não explicou como isso será feito, não explicou por que o PCC se fortaleceu tanto em seu governo e por que ele não tomou medidas para conter o avanço do PCC. Não explicou por que o governo recusa ajuda do governo federal, que desde de maio oferece o Exército, a Força de Segurança Nacional e a PF para ajudar SP a combater o crime organizado, mas preferiu fazer acordos com bandidos. Não explicou por que o governo de SP não entrega os papéis necessários para o governo Lula liberar os 100 milhões que estão a disposição para ajudar a combater o crime organizado. O ministro Thomaz Bastos está indignado e disse que os R$ 100 milhões oferecidos ao governo de São Paulo para gerenciar a crise de segurança no Estado estão à disposição desde o dia 13 de julho – o dinheiro só não foi depositado na conta do governo paulista porque este ainda não apresentou os documentos necessários. "A gente chega a pensar que o governo de São Paulo não quer o dinheiro", disse o ministro. Ao falar dos contratos de publicidade que desviaram dinheiro da Nossa Caixa, que pagavam revistas e sites de aluguel exclusivamente para defender os governos do PSDB de FHC e dele, Alckmin (caso do Primeira Leitura: assim que foi descoberto o desvio e os pagamentos foram suspensos fechou, não existe mais). Ele ficou de trololó e não respondeu, omitiu que no primeiro semestre de 2006 o governo de SP dobrou os gastos com publicidade em relação ao mesmo período de 2005. Cobrado a explicar por que o governo tucano não deu reajustes significativos aos aposentados do INSS (nem aos funcionários paulistas aposentados) – vale lembrar aqui que FHC, seu mentor, os chamou até de vagabundos – ele não soube defender os 16% que o seu partido votou, com a única intenção de prejudicar o presidente Lula. Alckmin precisa explicar por que arrochou os salários das polícias em SP, civil e militar, explicar por que o delegado de SP tem o segundo pior salário do Brasil. Por que arrochou os salários dos professores, por que diminuiu drasticamente a verba para a educação, por que mandou a polícia bater em estudantes universitários que estavam fazendo manifestação por mais verba para a educação, ao invés de negociar com eles? Já sei: o governo Alckmin só negocia com bandidos. Diz que vai diminuir impostos, mas não explica como vai fazer para não aumentar a dívida interna, para continuar baixando os juros e manter a inflação sob controle. Como vai fazer para tocar as obras que o presidente Lula já iniciou, e que estão gerando empregos e renda, como a Transnordestina, a construção de presídios federais, a revitalização e a transposição do rio São Francisco, as construção de plataformas para extração de petróleo, os investimentos no Biodiesel, a ampliação dos portos, a recuperação das estradas, e muitas outras ações e obras que o governo Lula está fazendo e vai fazer com o dinheiro dos impostos arrecadados. Ele não explica como vai manter e ampliar programas sociais como o Bolsa-Família, PROUNI, o Luz Para Todos, a distribuição de livros didáticos para alunos do ensino médio. São sete milhões de alunos de 13.253 escolas da rede pública de ensino, que estão recebendo obras de Português, Matemática e Biologia. Como vai dar aumento ao salário mínimo, como vai dar aumento para o funcionalismo, como vai investir na saúde. Nada ele explica, não fala absolutamente nada que se aproveite e mente com a maior cara de pau. Que fiasco, que vexame foi a entrevista de Alckmin. Mostrou que ele é muito incompetente, não tem nenhum programa de governo para apresentar, a não ser a mesmice do governo FHC, que quase destruiu o país, que levou ao caos econômico e social e que o povo, sabiamente, escorraçou nas urnas em 2002, elegendo o melhor presidente que o Brasil já teve, Luiz Inácio Lula da Silva.

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Jarbas:

Esta análise está muito bem feita.
Se a questão for de cultura política é um problema sério que, para ser resolvido, precisa de uma nova mentalidade governativa.

Um abraço,


Novo artigo no EG.