Jornalista Jarbas Cordeiro de Campos

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Jornalista formado pela FAFI-BH,especializado em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela ESPMG. "O Tribunal Supremo dos EUA decidiu que "só uma imprensa livre e sem amarras pode expôr eficazmente as mentiras de um governo." Nós concordamos."

21 dezembro 2015

CUNHA QUER MUDAR AS REGRAS COM O JOGO EM ANDAMENTO.

O governo e o PT decidiram que vão recorrer ao Supremo Tribunal Federal para barrar uma eventual manobra articulada pela oposição para tentar, a partir de uma alteração no regimento interno da Câmara, viabilizar as candidaturas avulsas na Comissão Especial que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), adiantou que provavelmente entrará com embargos de declaração no Supremo a fim de ter clareza sobre o alcance da decisão da Corte da semana passada que definiu o rito do processo que envolve a petista.Leia mais aqui.

09 novembro 2015

POLÍTICO TEM MEDO DO POVO NA RUA, JÁ DIZIA ULISSES GUIMARÃES.




O POVO ESTÁ NAS RUAS E PRAÇAS VIRTUAIS, DESDE 2013 EM TODO O PAIS, EM TODOS OS SEGMENTOS SOCIAIS, VIA FACE BOOK, WHATSAPP, TWITER E OUTROS MEIOS, EM CONSTANTES DEBATES QUE VÃO DESDE ATUAÇÃO ABUSIVA E SUBSERVIENTE DE SEUS REPRESENTANTES NO CONGRESSO NACIONAL E DA ONIPRESENTE E INEFICIENTE AÇÃO CENTRALIZADORA DO GOVERNO FEDERAL NO ATENDIMENTO AS REIVINDICAÇÕES DA POPULAÇÃO QUE PASSAM PELO ATENDIMENTO PRECÁRIO NO SUS, A DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO, A FALTA DE SEGURANÇA PÚBLICA QUE ALIADA AO PRECÁRIO TRANSPORTE COLETIVO LIMITA O DIREITO DE IR E VIR DO CONTRIBUINTE CADA DIA MAIS USURPADO, APENAS AGUARDANDO A DATA PARA CONCENTRAÇÃO E MANIFESTAÇÃO PRESENCIAL DE SUA INSATISFAÇÃO. VOZES DAS RUAS, GOVERNOS QUE NÃO AS OUVEM NÃO MERECE SOSSEGO.

20 outubro 2015

BICUDOS NO RASTRO DE DILMA.

A entrega do documento assinado pelos juristas Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT, Miguel Reale Júnior, ex-ministro da Justiça no governo Fernando Henrique, e Janaína Conceição Paschoal estava prevista para as 10h de hoje. Em nota, a oposição disse que a mudança “foi necessária para a inclusão de dados e informações no pedido”.
Bicudo, Reale e Janaína Conceição Paschoal já tinham apresentado um pedido em setembro mas, ao lado de parlamentares do DEM e do PSDB entre outros, decidiram reformular o texto incluindo informações do procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Júlio Marcelo de Oliveira. Oliveira recomendou a abertura de um novo processo para analisar operações do governo federal que teriam violado a Lei de Responsabilidade Fiscal este ano, a partir de demonstrativos contábeis oficiais da Caixa Econômica, do Banco do Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), já encaminhados ao TCU.
A aposta da oposição que defende a saída de Dilma é neste documento que ainda será protocolado e tem o apoio de 45 movimentos, entre eles Brasil Livre e Vem Pra Rua.
Cunha aguarda uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, no último dia 13, acatou liminares apresentadas pelos partidos governistas para suspender o rito definido pelo peemedebista para um processo de impeachment que inclui, entre as regras, a previsão de recurso ao plenário da Câmara no caso dele recusar um pedido de abertura de processo. O rito foi divulgado como resposta a uma questão de ordem apresentada pela oposição que queria clareza sobre os procedimentos e regras nestes casos.
Ontem (19), a pedido da oposição, Cunha protocolou recursos no STF contras as três liminares expedidas. No agravo, o peemedebista argumentou que o trâmite foi estabelecido com base no Regimento Interno da Casa e em precedentes adotados em decisões da Câmara. Com informações da Agência Brasil.
.Leia mais aqui.

10 agosto 2015

A Câmara dos Deputados ingressou com um recurso no STF pedindo que seja anulada ação que teve como alvo o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que rompeu com o governo em julho, usou mais uma vez as redes sociais para negar que esteja trabalhando para fragilizar a presidente Dilma Rousseff com a votação de uma "pauta-bomba" e abertura de CPIs incômodas ao Palácio do Planalto. "A tentativa de alguns de me colocar como vilão das contas públicas por retaliação ao governo não tem amparo na realidade dos fatos", reclamou em sua conta no Twitter na tarde deste domingo, 9. "Sei bem os riscos que sinais equivocados podem causar na avaliação do grau de investimento do País e não compactuo com isso", afirmou. "É preciso parar de especular e tratar as coisas com mais seriedade", afirmou Cunha.


"Tentar esconder a real situação de fragilidade do governo sem base na Câmara me culpando pelas suas derrotas é querer não enfrentar o problema", defendeu-se. "A verdade nua e crua é que não existe base do governo".


Cunha tem transferido para o Colégio de Líderes a responsabilidade pelas votações, como a que aprovou a emenda à Constituição que reajusta salários de advogados e defensores públicos e delegados, na semana passada.
"Presidente da Câmara não é o dono da Câmara e nem do voto dos deputados", escreveu.
Cunha comparou a votação da semana passada à aprovação pela Câmara, em 2009, de emenda constitucional que aumentava o salário de policiais militares e bombeiros. Na época, o presidente da Câmara era o atual vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB)."Em 2009, Michel Temer como presidente da Câmara não conseguiu impedir a votação da PEC 300, de autoria do senador Renan Calheiros. Nem conseguiu impedir a violação do fim do fator previdenciário, que foi vetado por Lula. Isso não quer dizer que Michel estava contra as contas públicas. Foi a vontade da Casa naquele momento, que ele teve que aceitar", disse Cunha.
O peemedebista também negou ter instalado novas CPIs para trazer novos problemas ao governo. A que mais preocupa o Planalto é da CPI do BNDES.
"Se a vez eram dessas CPIs,o que me restava fazer a não ser cumprir a minha obrigação. Não fui eu que protocolei as CPIs. E mais: as CPIs são regimentais, funcionam cinco simultâneas e na ordem de protocolo", disse.
Cunha lembrou que projetos problemáticos para o governo, por implicarem em aumento de gastos, têm sido aprovados com votos de parlamentares do PT e outros partidos governistas.
"É preciso parar com essa fantasia de que sou responsável pelo resultado das votações,como se eu fosse capaz de convencer a todos. Sem reagrupar a sua base e constituir uma maioria sólida, o governo continuará com problemas e sofrendo derrotas. Agora, não cabe a mim constituir a maioria que o governo não tem para vencer votações no plenário da Câmara".
Cunha negou que o fato de ter rompido com o governo esteja ligado à "pauta-bomba" da Câmara. "E convencer por um motivo de retaliação. Será que todos se submeteriam a isso? E os votos de deputados que me fazem oposição aberta, tais como os do PT?", questionou. (Fonte: Estadão).

30 julho 2015

O PT NUNCA FEZ COISA ALGUMA PARA MINAS GERAIS.

Ao contrário das promessas feitas e na contramão do discurso de moralidade, ética e defesa dos interesses da população, o governo do PT é omisso ou ineficiente em serviços essenciais, deixando Minas à deriva. Desde o início de 2015, a administração petista é marcada por mentiras, ausência de planejamento e de políticas públicas consistentes e pela destruição de programas e iniciativas que beneficiaram o Estado de 2003 a 2014.
Leia mais aqui.

21 julho 2015

O rastro da propina da campanha de Dilma




Levantamento nas contas da presidente mostra relação entre pagamentos de propina e remessas de dinheiro do PT para empresas de fachada. Notas subfaturadas também serviram para fraudar o custo oficial da eleição

Publicado na Revista Istoé - 19-07-15


Na semana passada, ISTOÉ revelou que por determinação do ministro Gilmar Mendes, vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral, a Polícia Federal deverá fazer uma apuração sobre alguns gastos realizados pela campanha de Dilma Rousseff em 2014. Há a suspeita de diversos pagamentos feitos a empresas que seriam apenas de fechada. Ou seja, haveria no esquema oficial de doação de recursos para a campanha uma espécie de lavanderia de dinheiro proveniente de propinas do petrolão. A reportagem também mostrou que as propinas da UTC entregues à campanha de forma oficial, como delatado pelo empresário Ricardo Pessoa, abasteceram boa parte dessas empresas de fachada (leia quadro na pág. 38). Agora, um novo levantamento feito pela revista indica que essas mesmas empresas podem ter sido aquinhoadas com propinas depositadas na campanha de Dilma pela Camargo Corrêa e pela Engevix, cujos executivos já admitiram a participação no petrolão em acordos de delação premiada.

Com base nos depoimentos dos executivos que colaboraram com a Justiça Federal em Curitiba, a reportagem levantou dezenas de recibos de doações dessas companhias, cruzando-os com as ordens de pagamento aos fornecedores que o TSE trata como "suspeitos". Todas as empresas arroladas pelo ministro Gilmar Mendes serviram de destino para parte do dinheiro proveniente do petrolão. A análise nos documentos de receitas e despesas apresentados pelo PT evidencia, ainda, fortes indícios da emissão de notas fiscais subfaturadas para evitar a violação do limite de gastos da campanha. São elementos que reforçam a tese da Operação Lava-Jato de que o PT usou o caixa 1 para lavagem de dinheiro.

Gerson Almada, ex-vice-presidente da Engevix, confirmou ao juiz Sérgio Moro que pagou propina ao PT por meio de doações de campanha, solicitadas pelo ex-tesoureiro da legenda João Vaccari Neto e pelo lobista Milton Pascowitch, operador do ex-ministro José Dirceu – todos são réus na Justiça Federal de Curitiba. Pressionada pelos protagonistas do escândalo, a Engevix doou R$ 1,5 milhão para a campanha de Dilma em 2014. O recibo do depósito data de 2 de outubro e foi assinado pelo então tesoureiro da campanha, Edinho Silva, hoje ministro de Comunicação Social. No mesmo dia 2, a campanha repassou R$ 156 mil para a UMTI, empresa de suporte de informática investigada pelo TSE por suspeita de não ter prestado qualquer serviço à campanha. Outros R$ 64,7 mil foram depositados na conta da Dialógica Comunicação, empresa de Keffin Gracher, recém-nomeado assessor especial pelo ministro de Comunicação Social. Há ainda vários pagamentos a empresas sem atividade aparente, segundo as suspeitas do TSE. Chama atenção o pagamento de R$ 1,66 milhão à Ageis Gráfica e Editora, que funciona no mesmo endereço de uma empresa de comércio de equipamentos, no município catarinense de São José. Mais R$ 280 mil foram para a Promo Gráfica, sediada num imóvel comercial de muros altos no bairro do Lixeira, em Cuiabá (MT). Os telefones de ambas empresas estão desativados. A Dialógica foi fechada há alguns meses. A UMTI diz que prestou os serviços

Dias antes da doação da Engevix, a campanha de Dilma recebeu um aporte de R$ 2 milhões da Camargo Corrêa. Vice-presidente da empreiteira, Eduardo Leite, confirmou para o Ministério Público o uso do caixa oficial da campanha para o pagamento de propina e alegou que a doação foi feita para garantir seus contratos com a Petrobras. À Justiça Federal, Leite relatou que Vaccari lhe sugeriu que quitasse "compromissos atrasados", por meio de doações eleitorais. Na campanha da reeleição de Dilma, o dinheiro da Camargo serviu a uma série de pagamentos volumosos. No dia 1º de outubro, a campanha repassou R$ 800 mil à gráfica VTPB e outros R$ 405 mil à Focal Comunicação. As duas empresas estão na mira das apurações feitas pelo TSE e agora pela Polícia Federal. Elas foram os maiores destinatários de recursos da campanha, amealhando juntas quase R$ 50 milhões, atrás apenas da Polis Propaganda, do publicitário João Santana, que recebeu R$ 70 milhões. No dia do pagamento à VTPB e à Focal, o PT também depositou R$ 225 mil à gráfica "Souza & Souza", uma empresa individual aberta em março de 2014, quatro meses antes do início oficial da campanha.

03 julho 2015

QUEM DISSE QUE NÃO TEM PENA DE MORTE NO BRASIL ?



MEDIDA PROVISORIA ATÉ MUDARMOS O GOVERNO
AJUSTE FISCAL FAMILIAR
Considerando que o desgoverno federal gasta o que não arrecada com uma estrutura governamental de 39 (trinta e nove) ministérios que também não apresentam resultados;
Considerando que este mesmo desgoverno aumenta impostos, aumenta combustível, aumenta a energia elétrica, aumenta os juros bancários, aumenta a ineficiência da máquina administrativa, aumenta a inflação por descontrole e incompetência com os gastos públicos;
Considerando os cortes na educação, na saúde, na segurança, a necessidade de sobrevivência da família de sobreviver com parcos recursos, frente à incompetência do Governo, RESOLVE:
Art. 1º - Ao provedor chefe de família, homem ou mulher, compete apenas custear o mínimo necessário à sobrevivência da família, quando a despesa for de interesse do conjunto familiar.
Parágrafo 1º - Correrão por conta única e exclusiva de cada membro da família as despesas com gastos individuais ou qualquer outro que não seja de usufruto do conjunto familiar.
Parágrafo 2º - Constatado gastos desnecessários ou abusivos, que caracterizem mordomia, mesmo nas despesas individuais, será estabelecida taxa de banho, lavagem de roupas e alimentação para qualquer membro da família que assim agir ostensivamente.
Parágrafo 3º - Todos os membros da família ficam obrigados a reduzir tempo de banho, economizar água, energia elétrica, combustível e outros gastos de uso comum, resalvado o direito de cobrança de sobre taxação daquele que não contribuir para as metas de contenção de gastos.
Art. 2º - Ficam expressamente proibidas à exploração de avós paternos e maternos, assim como compras e parcelamentos em cartões de creditos ou cheques especiais, compras pelo CDC para qualquer um dos membros da família, caso contrário será considerado abuso, sujeitando o membro familiar à suspensão de direito comum aos demais.
Art. 3º - Está Medida, que esperamos provisória, vigorara até mudarmos o governo por um que garanta nossos direitos constitucionais e retorno eficiente e transparente da aplicação dos impostos que pagamos.
O povo brasileiro, por seus cidadãos conscientes, manda a quem seu direito exercer, que a esta medida cumpra e faça cumprir até que tenhamos um Brasil melhor.
Brasil, 1º de julho de 2015.
Pelo poder que emana do povo e aqui o exerce diretamente
Jarbas Cordeiro de Campos, um cidadão consciente.

30 junho 2015

QUEM DIRIA, LOGO O PT - ANTE PRIVATIZAÇÃO É QUE ESTÁ VENDENDO O MAIOR PATRIMÔNIO DO BRASIL

LEIA MAIS AQUI.

Situação de desigualdade extrema pode levar a descontentamento geral e ameaça os valores democráticos ou nos levar a uma nova guerra mundial



Ponto de vista interessante!!

Veja só a posição de um “arauto”  da turma de Wall Street em função do crescimento das tensões geopolíticas no mundo!!!!!!!!  E a analise não contempla nenhuma saída para o dilema que não seja uma Guerra Mundial...uma guerra para a qual as potencias ocidentais não estão preparadas para vencer desta vez!!!!!!!!!

É este motivo que leva a escola em volta de Thomas Piketti a crescer da forma que esta crescendo e ganhando influência. (até mesmo o grupo em torno de George Soros esta aderindo a esta escola).
Seu estudo sobre a concentração de riqueza e a evolução da desigualdade ganhou manchetes nos principais jornais do mundo, gerou discussões nas redes sociais e colheu comentários e elogios de diversos ganhadores do Prêmio Nobel.
Foram quinze anos de pesquisas incansáveis, e as ideias que ele expôs no livro “O Capital no século XXI” se apoia em dados que remontam ao século XVIII, provenientes de mais de vinte países, para chegar a conclusões explosivas. O crescimento econômico e a difusão do conhecimento impediram que fosse concretizado o cenário apocalíptico previsto por Karl Marx no século XIX. Porém, os registros históricos demonstram que o capitalismo tende a criar um círculo vicioso de desigualdade, pois, no longo prazo, a taxa de retorno sobre os ativos é maior que o ritmo do crescimento econômico, o que se traduz numa concentração cada vez maior da riqueza. Ou seja, a taxa de retorno financeira que os facínoras de Wall Street  cada vez mais alavancam , não são sustentados por aumento real de retorno de negócios do mundo real. Uma situação de desigualdade extrema pode levar a um descontentamento geral e até ameaçar os valores democráticos ou nos levar a uma nova guerra mundial. Mas Piketty lembra também que a intervenção política já foi capaz de reverter tal quadro no passado e poderá voltar a fazê-lo.
A turma que esta apoiando Piketti (com o apoio importante agora do Grupo Soros), sempre aponta para a contradição fundamental na relação entre o crescimento econômico e o rendimento do capital.