Jornalista Jarbas Cordeiro de Campos

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Jornalista formado pela FAFI-BH,especializado em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela ESPMG. "O Tribunal Supremo dos EUA decidiu que "só uma imprensa livre e sem amarras pode expôr eficazmente as mentiras de um governo." Nós concordamos."

04 julho 2006

QUEM MORRE, PORQUE MORRE. APARTE I

Extorsão, coação, corrupção, desorganização, superlotação carcerária, lentidão no julgamento de processos e a inércia dos governos estaduais e das autoridades federais formam as misturas explosivas que movem as rebeliões em série que estouram nos presídios em todos os estados, nos últimos anos. Essa é a análise da situação constatada por especialistas do setor de segurança, ex-diretores dos sistemas prisionais, Justiça, OAB e autoridades.A situação de descontrole chegou a tal ponto que são os próprios detentos quem mandam nos presídios, com a conivência de agentes penitenciários mal preparados e que recebem salários de fome e se deixam seduzir pelas ofertas de bandidos/presos que pagam melhor que o Estado. São os próprios detentos, com seus próprios recursos que impõem suas regras lá dentro, gerando todo tipo de problema. Se não obedecem a essas regras morrem. Entre estes problemas estão os familiares de presos que aceitam livremente ou são obrigados a pagar para que o preso não seja colocado no mesmo pavilhão ou modulo junto com presos rivais ou mantidos em delegacias.
Ocorre, porém que os presos estão sob a responsabilidade de delegados que decidem quem vai para o presídio ou não. Se a família ou o apenado tem dinheiro, tem a opção de deixar o preso na delegacia, se não vai para o presídio, onde podem ficar em selas/módulos melhores ou junto com seus rivais.Bandidos de todos naipes, de assaltantes a arrombadores e traficantes, presos em flagrante delito deveriam ir direto para a penitenciaria enquanto aguardam julgamento. Todavia, ainda com o produto de seu crime, ficam em delegacias superlotadas pagando hospedagens, caso contrário vão ser colocados longe das famílias e perto rivais.
Este ambiente cria dois quadros caóticos, perigosos com regras rígidas que descumpridas levam a morte. Quem está dentro do sistema não pode sair, seu envolvimento, a intermediação e a sua parceria com o bandido o torna um arquivo vivo. Se tentar sair, está morto. Se estiver fora do sistema, mas tem conhecimento, é convidado para entrar e não aceita, neste caso também está morto. Quem está morrendo, os querem sair ou os que não querem entrar ?

3 comentários:

Saramar disse...

Jarbas, boa tarde.
Eu creio que ambos morrem e, junto com eles, morrem nossas esperanças de ter algum governo que realmente enfrente o problema da criminalidade neste país.
O episódio de São Paulo demonstrou o quanto estamos desprotegidos e o quanto o governo é incapaz ou indiferente ao problema.
Daqui uns dias, eles que controlam os presídios, irão controlar o país. Aliás, no controle do país..... bem, deixa prá lá.

Beijos

Águas da Vida disse...

A cara do Brasil corrupto e sem lei...estamos vivendo o tempo do west americano.
Passa la na aguas da vida tem uma bomba de reportagem sobre a corrupçao na copa do mundo.
Big kiss

Stella disse...

o sistema carcerário brasileiro está corrompido e sem controle, estamos a beira do caos