Jornalista Jarbas Cordeiro de Campos

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Jornalista formado pela FAFI-BH,especializado em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela ESPMG. "O Tribunal Supremo dos EUA decidiu que "só uma imprensa livre e sem amarras pode expôr eficazmente as mentiras de um governo." Nós concordamos."

30 julho 2006

MDLN CONTRA TANTA PORCARIA

"Fui ligar a televisão na hora do jantar e meus filhos protestaram. "Chega, pai. Não agüentamos mais ouvir tanta porcaria"... "Tanta porcaria"... É só abrir o jornal ou a revista. Ligar o rádio ou a televisão. Navegar pela Internet. Telefonar pro amigo. Bater um papo no bar da esquina. Conversar com o taxista... Tanta porcaria. A isso foi reduzido o país que um dia eu sonhei ver entre os grandes, sem que para tanto precisasse ganhar a Copa do Mundo: tanta porcaria. Pois refleti sobre o que ouvi de meus filhos. Sobre a cabeça de uma juventude que está mergulhada completamente em "tanta porcaria". E começo a entender o espaço ocupado pelas baixarias na televisão. Pelos videogames. Pelas baladas sem fim. Pela aparente desconexão dos jovens com a realidade social do país. Afinal de contas, a opção é "tanta porcaria"... O que é que um clima constante de "tanta porcaria" é capaz de criar, hein? Uma população de gente cansada, inerte, decepcionada, desligada, angustiada, broxada, desorientada, descomprometida... Pense um pouco. Você acorda de manhã, cheio de energia para ir trabalhar, estudar, cuidar de sua vida. Abre os olhos para o mundo e o que vê é "tanta porcaria". Abre os ouvidos para o mundo e o que ouve é "tanta porcaria". O que acontece com sua energia? Com sua motivação? Com seu tesão? Estamos vivendo neste Brasil de começo de milênio um processo sem precedentes de desmotivação, de humilhação, de desilusão, causado pela exposição sistemática, diária e constante a "tanta porcaria". E o Brasil possível parece ser apenas o da porcaria. Talvez devêssemos reduzir essa exposição, dedicar mais tempo a coisas outras que não a "porcaria". Será essa a fuga que a juventude desiludida encontrou? Daí a despolitização? A inércia? Pode ser. Mas conheço outro Brasil. Nele vivo eu, meus amigos e parentes, uma porção de brasileiros honestos e trabalhadores. Esse outro Brasil é gigantesco, cheio de coisas positivas, com milhões de pessoas fazendo acontecer, com gente honesta e empresas de primeiro mundo, com arte, cultura e um futuro promissor. Nesse Brasil existem dignidade, amor, virtudes, moral... Tem neguinho trabalhando como louco, fazendo acontecer, bem intencionado e disposto a ajudar o país a crescer. Mas infelizmente esse outro Brasil só aparece na televisão em novelas, como se fosse ficção. Não existe espaço para ele em meio a "tanta porcaria". Por isso aquela catarse da Copa do Mundo, aparentemente a única alternativa capaz de nos elevar a auto-estima por algumas semanas, de nos transportar da porcaria para a glória. Gritamos, pulamos, extravasamos nosso orgulho contido, aquele orgulho de ser um brasileiro daquele "outro Brasil". Até percebermos, num misto de angústia e desilusão, que o futebolzinho de nossa seleção era uma... Porcaria! E não adiantou reclamar, chorar, ficar indignado, xingar... Aquelas celebridades milionárias, que a mídia transforma em referências, representaram perfeitamente um Brasil. O Brasil da "tanta porcaria". Atendi meus filhos. Não liguei a televisão." Fonte: Internauta via e-mail.

3 comentários:

Blogue da Magui disse...

Tem muita porcaria mas virar as costas e fingir que nao ve tambem e perigoso.O que podemos fazer com nossos filhos e dizer a eles que a mudan�a e possivel e esta nas maos da sua geracao.

Helena de Tróia disse...

Esperei sua visita no Arte Incomum. Um grande abraço.

Santa disse...

Bem vindo, querido!