Jornalista Jarbas Cordeiro de Campos

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Jornalista formado pela FAFI-BH,especializado em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela ESPMG. "O Tribunal Supremo dos EUA decidiu que "só uma imprensa livre e sem amarras pode expôr eficazmente as mentiras de um governo." Nós concordamos."

29 setembro 2006

SONHAR E DAR VIDA AOS SONHOS, MUDAR E TRANSFORMAR.A HORA É AGORA !

NA HORA DE ESCOLHER O CANDIDATO

“É isso o que conta. A história, a biografia, os valores, as crenças, o comportamento. O caráter. Se temos palavra e se não traímos nossas promessas e nossos ideais. E nós não traímos.

O povo brasileiro não é corrupto. O povo brasileiro não é mentiroso. O povo brasileiro não é preguiçoso. O povo brasileiro não é omisso. O povo brasileiro não é enganador.O povo brasileiro não é cínico. O seu presidente também não pode ser.

A presidência do Brasil é o centro para onde convergem os sonhos e as expectativas dos brasileiros. Por isso, quem lá se sentar precisa ter a capacidade de sonhar. Mas sonhar não basta. É preciso dar vida aos sonhos.” Fonte: ex-governador Geraldo Alckmin, candidato a presidência da República.

3 comentários:

Cris Zimermann disse...

Quero pensar assim e viver essa realidade.

bjsss, Jarbas!

Keikas disse...

Deus permita a mudança...
bjka

Pepê Mattos disse...

Os últimos acontecimentos no cenário político nacional apontam para uma crise sem precedentes no país. Difícil crer que o representante máximo da Nação ignore o que assessores façam ou não façam em seu nome. É como assinar um cheque em branco a um desconhecido que se apresenta como um parente distante. Infelizmente, os envolvidos no escândalo do dossiê não pertencem à esfera dos parentes bissextos. Trata-se de pessoas do círculo íntimo do presidente. De pessoas do mais alto grau de convivência íntima, de quem se poderia esperar tudo, menos uma traição. Será traição mesmo? Ou será um outro sinônimo que não queremos pronunciar, sob pena de ruir com este nossa crença nas autoridades que elegemos como construtores do nosso futuro neste presente? Vivemos perplexos do nascer do sol ao último telejornal, na expectativa de que novo escãndalo nos acompanhe em nosso sono. Sonho... Vivemos não um sonho do crescimento enquanto cidadãos e contribuintes, mas um pesadelo do medo vencendo continuamente a esperança. Até quando?