Jornalista Jarbas Cordeiro de Campos

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Jornalista formado pela FAFI-BH,especializado em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela ESPMG. "O Tribunal Supremo dos EUA decidiu que "só uma imprensa livre e sem amarras pode expôr eficazmente as mentiras de um governo." Nós concordamos."

17 setembro 2006

JUNTO DE BANDO DE SAQUEADORES, CHAMA TUCANOS DE PREDADORES.

Em Belém, Lula reúne políticos polêmicos e diz que os tucanos são predadores
Publicada em 17/09/2006 às 22h15mMaria Lima - O Globo
BELÉM - Em comício na manhã deste domingo na capital paraense, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato do PT à reeleição, pediu a união de aliados polêmicos para derrotar os tucanos, que chamou de predadores. Ao lado do presidente no palanque, estavam: Jader Barbalho (PMDB-PA), acusado de ter desviado recursos da Sudam, o ex-deputado petista Paulo Rocha, acusado de envolvimento no escândalo do mensalão, o ex-senador Ademir Andrade (PSB-PA), que chegou a ser preso por fraudes em licitações e desvio de recursos, e a candidata petista ao governo do Pará, senadora Ana Júlia Carepa, investigada pela CPI da Pirataria.
Durante o comício, Lula chegou a ir ao encontro de Jader para beijar a mão do cacique e também fez questão de abraçar e beijar Paulo Rocha. No mesmo palanque, também estava José Priante (PMDB), adversário de Ana Júlia ao governo do estado. Os dois tentam levar para o segundo turno a eleição que tem como favorito o tucano Almir Gabriel, ex-governador.
- O que está acontecendo aqui não é um simples comício, é uma aula de pós-graduação de sociologia política, é uma coisa nova. O que estamos fazendo aqui, juntando dois candidatos que vão disputar uma vaga de segundo turno não é velho, é uma coisa muito nova. Tanto o PMDB quanto o PT entenderam que é chegada a hora de a gente parar de brigar entre nós e saber quem é o adversário principal que nós precisamos derrotar - disse Lula, provocando os adversários do PSDB:
- Eu não sou especialista em tucanos. Mas lá na Granja do Torto, onde eu moro, tem um pequeno parque. Lá, de vez em quando um pequeno grupo de tucanos sai do Parque Nacional e pára na Granja do Torto. Sabe para quê? Aquela coisa bonita, porque são bonitos os tucanos. Têm um bico maravilhoso. Mas eles param lá para comer os ovos e os filhotes dos passarinhos nos ninhos. Eles param lá porque são predadores, apesar daquela beleza. E o que fizeram ao Brasil foi exatamente isso. É só vocês olharem o que fizeram em oito anos neste estado e no Brasil. Analisem o resultado, qual foi o tratamento que a população pobre teve. Eles se contentaram em governar o Brasil para 35 milhões.
“ Lula subiu no salto número 15 ”
O candidato tucano a presidente, Geraldo Alckmin, reagiu. Para ele, a declaração demonstra a arrogância de seu adversário.
- Ele está arrogante, subiu no salto número 15, mas tem o risco de quebrar o salto, porque tudo mostra uma mudança em curso. Nós vamos para o segunto turno e o segundo turno é outra eleição. Tenho certeza de que o Brasil não vai ficar quatro anos esperando 2010 para ter governo - disse Alckmin.
Durante o discurso, o presidente acusou ainda o PSDB de mentir para o povo:
- E quando aparecem na TV tagarelando, batendo o bico, o povo diz: peraí: Mentir uma vez tá certo, mentir duas vezes tá certo, mas mentir uma terceira vez nós não vamos acreditar mais. Nós aprendemos a andar com as nossas próprias pernas, a pensar com nosso própria cabeça, a enxergar com nossos próprios olhos. Se querem conquistar o povo, digam a verdade. Fonte: Maria Lima - O Globo

3 comentários:

Stella disse...

é aula de mau caráter
isso sim!

Olhos, língua e alma. disse...

Depois de anos jogando lama e toda a sorte de acusações, as duas facções da corja se lambusam com a própria lama que se dispuseram a arremessar.

O pior é que chamam a corja de coligação com visão num futuro melhor para o Brasil.

A política no Brasil precisa mesmo é de um bom banho.

Abraços.

Blogue da Magui disse...

Esse cara vendeu a alma para o demônio.E o brasielrio vai atrás.A briga em SP é a maior indecência política da história.