Jornalista Jarbas Cordeiro de Campos

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Jornalista formado pela FAFI-BH,especializado em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela ESPMG. "O Tribunal Supremo dos EUA decidiu que "só uma imprensa livre e sem amarras pode expôr eficazmente as mentiras de um governo." Nós concordamos."

19 setembro 2006

PLANEJADA PARA PREJUDICAR O PSDB

A INTENÇÃO ERA QUEIMAR O SERRA E ALCKMIN,
MAS O EFEITO VIROU CONTRA O MANDANTE
Escrito por Revista Época - 19/09/06 15:39:15
EsclarecimentoEm depoimento à Polícia Federal, o advogado Gedimar Pereira Passos - que afirma ter sido contratado pelo PT para negociar um dossiê com denúncias contra o candidato José Serra - citou a revista ÉPOCA. Diante dessa citação, ÉPOCA gostaria de esclarecer que:
1) Oswaldo Bargas, ex-secretário do Ministério do Trabalho, atual responsável pelo capítulo de Trabalho e Emprego do programa de governo de Lula, procurou há duas semanas o jornalista Ricardo Mendonça, de ÉPOCA. Ele pediu um encontro com o repórter.
2) O encontro foi marcado para uma suíte do hotel Crowne Plaza, em São Paulo, no final da tarde do dia 6 de setembro. Nessa reunião estava presente também Jorge Lorenzetti, analista de risco e mídia da campanha de Lula. Bargas afirmou ter sido procurado por alguém que tinha denúncias sérias contra políticos de renome. As acusações, segundo ele, poderiam ser comprovadas por meio de fotos, vídeos e de uma "farta documentação". Bargas perguntou se havia interesse da revista em publicá-las.
3) O repórter de ÉPOCA disse que tinha interesse em conhecer o teor das denúncias, mas não se comprometeria a publicá-las. Isso dependeria de uma investigação sobre a relevância e a consistência das acusações.
4) Bargas afirmou não ter nada para mostrar naquele momento. Disse que não podia especificar quais eram as denúncias nem quem era o denunciante. Diante da insistência do repórter, ele disse apenas que as denúncias seriam fortes o suficiente para desmoralizar o candidato do PSDB ao governo do Estado de São Paulo, José Serra, e o ex-ministro da Saúde Barjas Negri.
5) Durante o encontro, Bargas e Lorenzetti disseram várias vezes que aquela reunião nada tinha a ver com o PT nem com o governo. Aquele encontro, segundo eles, servia apenas para sondar o interesse de ÉPOCA. Bargas afirmou que Aloizio Mercadante, concorrente de Serra na disputa pelo governo de São Paulo, não sabia das denúncias nem da reunião. Disse ainda que, no PT, apenas o presidente do partido, Ricardo Berzoini, havia sido avisado do encontro com o repórter para passar informações de interesse da campanha. Berzoini, segundo Bargas, não tinha conhecimento do conteúdo do material.
6) No final da reunião, que durou cerca de 30 minutos, Bargas disse que voltaria a falar com o denunciante e depois entraria em contato com o repórter.
7) Naquela mesma noite, Bargas telefonou para avisar que o denunciante voltara atrás e não queria mais apresentar o material, nem dar entrevista. Uma semana depois, a revista Istoé publicou a entrevista em que Darci e Luiz Antonio Vedoin, os donos da Planan, acusavam Serra e Barjas Negri. Fonte: G1

8 comentários:

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Jarbas:

Nessa, Freud se freudeu! :-)

Um abraço,

Passarim disse...

Pessoal olha o outro Delúbio:
Berzoini insiste na linha Tereza Cruvinel — ou ela insiste na dele, o que é mais provável — e indaga: “A quem interessa criar confusão na campanha eleitoral?” Depende, não é, companheiro Berzoini? Se a operação tivesse dado certo, interessaria ao PT e a seu golpe de Estado. Ou Vossa Senhoria sugere que Lorenzetti agiu instruído por tucanos? Como deu tudo errado, pode até ser positivo para o PSDB. Correlação não é causa, meu senhor. Segue íntegra da nota:

"Tendo em vista a citação do meu nome em esclarecimento publicado hoje pelo site da revista Época, tenho a dizer o seguinte:

1. De fato, tive conhecimento de que um integrante da nossa campanha manteria contato com a revista Época para tratar de uma pauta de interesse jornalístico. Jamais tive ciência do conteúdo abordado nesse encontro, conforme reproduzido fielmente pelo site da revista;

2. Jorge Lorenzetti me encaminhou hoje carta desligando-se da campanha e explicando os seus motivos, entre os quais ele reconhece ter extrapolado os limites de suas atribuições como assessor de risco e mídia da Coligação "A Força do Povo", mas afirma taxativamente que não autorizou o emprego de qualquer tipo de negociação financeira;

3. Manifesto, mais uma vez, a minha indignação com esse episódio, e condeno, como sempre condenei, o denuncismo e a baixaria em processos eleitorais, reafirmando a necessidade de que todas as denúncias sejam investigadas e esclarecidas o quanto antes. E pergunto: a quem interessa criar confusão nesta campanha eleitoral? "

Santa disse...

Pois é, o PT acaba de acabar...Quem diria, um bando de malucos sucumbidos por um Freud. rsss

Passarim disse...

"Berzoini poderia desconhecer o conteúdo do material oferecido à revista. Mas é improvável que desconhecesse o objetivo do encontro. Ou seja: o de oferecer à revista "denúncias fortes o suficiente para desmoralizar o candidato do PSDB ao governo do Estado de São Paulo, José Serra, e o ex-ministro da Saúde Barjas Negri". Fonte: Blog do Noblat.

Stella disse...

é um imbroglio sem tamanho, ninguém sabe de nada, só resta saber se a população no momento do voto irá lembrar dos crimes cometidos.

Kafé Roceiro disse...

Esse dossíê foi a melhor coisa a ser descoberta nos últimos dias. Quem sabe agora o povo não acorda?

Edson Junior disse...

Muitíssimo obrigado pelo comentário Jarbas. E sim, concordo plenamente com você quando diz que, no futuro, ser blogueiro será parte do currículo do jornalista. Então eu me pergunto: Quão distante está este futuro? Pois, no no que diz respeito ao meu currículo, já está lá: "Autor do blog SemiÓtica (...)", e aposto que no seu também. Parabéns pelo conteúdo, sempre substancioso. Colocarei seu blog nos meus links favoritos. Abraços.

Cris Zimermann disse...

o cara tem q cair...

bjsss