Jornalista Jarbas Cordeiro de Campos

Minha foto
Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil
Jornalista formado pela FAFI-BH,especializado em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde pela ESPMG. "O Tribunal Supremo dos EUA decidiu que "só uma imprensa livre e sem amarras pode expôr eficazmente as mentiras de um governo." Nós concordamos."

28 outubro 2021

EM 2018 O PT CRIOU OS MAVs > MILITANTES ATIVOS VIRTUAIS E FERNANDO HADDAD FOI CONDENADO POR IMPULSIONAR FAKES CONTRA JAIR BOLSONARO.

 

Moralidade que chama, né?
 
No ano de 2018, período da campanha eleitoral, o eleitor foi guiado pelo ódio e, é claro, o resultado não poderia ser diferente! Afinal, alguém já viu alguma coisa boa nascer do ódio? Quero acreditar que não!!!
Ainda não se tinha noção do tamanho da rede bolçonarista, de disparos de fake News, ao que parece, financiada por grandes empresários, esses, cheios de “boas intenções” assim como o inferno...
É importante que se saiba o significado de marketing, nesse caso, marketing eleitoral: Fazer com que o alvo, por meio de convencimento consuma algo, muitas vezes, sem nenhuma serventia... E assim foram convencidos de que: Um homem boçal era, na verdade, autentico; um insano, segundo relatório oficial do exército, era a melhor opção para conduzir a nação de volta a sanidade; alguém que declarava abertamente não entender nada de economia, alçaria economicamente o país a patamares nunca antes visto; alguém com seis mandatos federais era de fato a anti-establishment, a nova política! Simplificando, foi basicamente o golpe do bilhete premiado... Em 2018, tínhamos um único candidato, REALMENTE, lavajatista, o Senador Álvaro Dias, não que ser, isso ou aquilo, deva ser um critério de escolhas, afinal, não contratamos se quer uma diarista sem antes pedir por referencias, apreciar o currículo, se assegurar de que não estamos entregando as chaves de nosso lar a alguém que nos fará mal, e, na política, porque fazemos diferente...?
Hoje, vemos que muitos desembarcaram desse governo, se é que isso pode ser chamado de governo – mas, quantos realmente são capazes de enxergar o mal que escolhas erradas podem causar...?
Se o que verdadeiramente desejamos, EU DESEJO, é ver uma nação administrada sob os pilares da MO-RA-LI-DA-DE, precisamos começar a analisar o currículo dos que governarão em nosso nome. SIMPLES ASSIM!!!

"BOLSONARO VICIOU NAS FACILIDADES DO DINHEIRO PÚBLICO"

 

Pode ser uma imagem de 2 pessoas, pessoas em pé e textoEm carta, Roberto Jefferson diz que Bolsonaro se viciou em dinheiro público
Ex-deputado federal está preso no complexo penitenciário de Bangu, na Zona Oeste do Rio
Agência O Globo
27/10/2021
 
Em uma carta escrita do complexo penitenciário de Bangu , na Zona Oeste do Rio, o ex-deputado federal Roberto Jefferson criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) pelo que ele descreve como "vício nas facilidades do dinheiro público". Ele diz que ao se aproximar de figuras do Centrão, como o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, e Valdemar da Costa Neto (PL), Bolsonaro cercou-se de "viciados" e, consequemente, se tornou um deles: "Quem anda com lobo, lobo vira, lobo é. Vide Flávio".
"O presidente tentou uma convivência impossível entre o bem e o mal. Acreditou nas facilidades do dinheiro público. Esse vício é pior que o vício em êxtase. Quem faz sexo com êxtase tem o maior orgasmo ou ejaculação que o corpo humano de Deus pode proporcionar. Gozou com êxtase, para sempre dependente dele. Desfrutou do prazer decorrente do dinheiro público, ganho com facilidade, nunca mais se abdica desse gozo paroxístico que ele proporpciona. Bolsonaro cercou-se com viciados em êxtase com dinheiro público; Farias, Valdemar, Ciro Nogueira, não voltará aos trilhos da austeridade de comportamento. Quem anda com lobo, lobo vira, lobo é. Vide Flávio", escreveu.
Jefferson diz ainda que o PTB deve ter candidatura própria no ano que vem, e orienta as lideranças do partido a convidarem o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) para disputar a presidência da República, contra o atual mandatário.
"Vamos convidar o Mourão. O PTB terá candidatura própria, quem sabe apoiamos o Bolsonaro no segundo turno".
O deputado voltou a defender os atos antidemocráticos de 7 de Setembro, e diz que o presidente "fraquejou" ao não avançar nas demandas do "povo que foi às ruas". Nos atos, os manifestantes pediam a intervenção militar e a destituição dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).
"Todo o povo saiu às ruas para dizer, eu autorizo, não havia volta, não havia transigência com as velhas práticas. Mas por algum motivo, Bolsonaro fraquejou. Não teve como seguir. Escrevo isso insone. Não preguei meus olhos. Esse pensamento queimou minhas pestanas, não consegui fechar meus olhos e dormir. Vamos por nós mesmos".
O ex-deputado precisou ser internado no domingo (24) no hospital do complexo de Bangu 8 em razão de complicações em seu estado de saúde, como febre alta, taquicardia e baixa pressão.
Jefferson voltou para a prisão no último dia 14 por determinação do ministro Alexandre de Moraes, depois que o político recebeu alta hospitalar. Ele estava internado desde o início de setembro com um quadro de infecção urinária e dores na lombar e foi submetido também a um cateterismo para desobstrução de uma artéria.

27 outubro 2021

CENTRO TEM DE MIRAR BOLSONARO POR VAGA NO 2º TURNO

 

(Folha de SP, 22) Ex-presidente da Câmara dos Deputados e atualmente secretário do governo João Doria (PSDB), Rodrigo Maia, 51, diz que o alvo prioritário da terceira via por uma vaga no segundo turno tem de ser o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mais do que Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"O adversário é o Bolsonaro, que entrou no nosso eleitor", diz Maia, que se licenciou do mandato parlamentar e atualmente é responsável pela pasta de Projetos e Ações Estratégicas em São Paulo.

Segundo ele, a "orgia fiscal" do atual governo, representada pela tentativa de furar o teto de gastos, vai causar inflação e aumento de juros, anulando qualquer efeito político da elevação do Bolsa Família.
"Quem está na Crefisa [empresa de crédito pessoal] e no agiota não é o rico. Quem está no mercado paralelo de crédito é o pobre. Ele que vai acabar sentindo o aumento da inflação e dos juros", afirma.

Para o secretário, isso vai derrubar a popularidade de Bolsonaro, abrindo caminho para uma candidatura de centro-direita, que ele crê será a de Doria.

No governo paulista, Maia participa da elaboração de projetos como a privatização da Sabesp e o novo trem de passageiros ligando a capital a Campinas.

Expulso do DEM, ele ainda define para qual partido irá, mas já decidiu que disputará novo mandato de deputado federal pelo Rio.

Para Maia, o eleitor fluminense não vai estranhar sua temporada paulista. "Vim para São Paulo fazer política nacional. É óbvio que o carioca, que sempre teve uma visão importante de Brasil, vai compreender."

• Como o sr. vê o novo Bolsa Família, e a possibilidade de que fure o teto de gastos?

RODRIGO MAIA - O teto já acabou. Isso é a pá de cal. O que não estão entendendo é que o limite de gasto tem relação direta com a vontade da sociedade de não pagar mais impostos. Se você continuar a aumentar despesa acima da inflação, vai ter que arrecadar dinheiro.

• E o efeito na popularidade do Bolsonaro, qual vai ser?

RM - A aliança do [Paulo] Guedes com o Arthur Lira [presidente da Câmara] está copiando a mesma equação da Dilma [Rousseff] em 2014. É uma orgia fiscal. Quando fizemos o auxílio emergencial em 2020, com valor muito alto, e com o governo ampliando para mais gente do que em tese seria necessário, tínhamos inflação de 1%, 2%, 3%. Estamos agora com 10%.

Se você amplia o cenário de desorganização fiscal, está dizendo que vamos perder o controle da inflação. Quem vai pagar essa conta é o próprio beneficiário do Bolsa Família. O câmbio desvaloriza mais, o botijão de gás fica mais caro, o diesel, o alimento. Está dando com uma mão e tirando com a outra.

• Como o sr. vê o futuro da agenda de reformas no Congresso?

RM - Ele [Bolsonaro] fez a emenda de relator de R$ 15 bi. Aprovou a PEC [emenda] Emergencial sem nenhum corte de despesas. Aprovou a MP da Eletrobras com o maior jabuti da história, R$ 83 bilhões que a sociedade terá de pagar para a construção de termelétricas.

O projeto do Imposto de Renda é um desastre. Que projeto o governo aprovou até agora que foi positivo para a sociedade? O presidente da Câmara não entende a importância do teto de gastos e da Lei de Responsabilidade Fiscal. A sociedade não quer pagar mais impostos.

• O sr. não vê a possibilidade de aprovação de nenhuma nova reforma nesse governo?

RM - Os textos que estou vendo ir para a Câmara na área econômica estão gerando mais insegurança, e do ponto de vista institucional estão desorganizando a sociedade. Aquela PEC que foi votada logo depois da prisão do [deputado] Daniel Silveira não foi aprovada, mas era para enfraquecer o Supremo. O novo Código Eleitoral era para enfraquecer o TSE. Há uma nítida linha de ação de orgia fiscal de um lado e enfraquecimento de instituições de outro.

• A proposta da mudança na composição do CNMP [Conselho Nacional do Ministério Público] o sr. coloca na mesma linha?

RM - Não conheço o texto. Tirar a autonomia do Ministério Público pode ser grave. Mas da forma como trabalham hoje, são os únicos servidores públicos do Brasil que ninguém controla. Não sou contra que se crie uma regra em que o Ministério Público seja efetivamente fiscalizado. O Ministério Público surfa de forma paralela ao resto dos servidores. Se essa PEC é o melhor caminho não sei, porque não conheço a redação.

• As últimas manifestações de rua contra Bolsonaro foram pequenas, e a eleição está a menos de um ano. É o caso de desistir do impeachment e focar em tirar o presidente pelo voto?

RM - Quando eu era presidente da Câmara, não havia voto para o impeachment. Acho que hoje também não temos. Os deputados estão olhando suas eleições, então as emendas passam a ter um peso cada vez maior.

O governo não consegue viabilizar a execução de todos os recursos, gera insatisfação. Mas não acho que haja clima majoritário, de 342 votos, para se avançar no impeachment. Não acho que o presidente Arthur vá encaminhar um tema desses, pelas condições em que foi eleito, com apoio do presidente.

• A oposição deveria continuar fazendo manifestações, ou melhor virar essa página?

RM - É importante que os partidos continuem mobilizados. Mas mais grave é a posição dos que se dizem da terceira via, porque estão 100% na base do governo. O Bruno Araújo [presidente do PSDB] diz que os deputados são oposição, mas continuam votando com o Bolsonaro. O discurso de que a pauta econômica é a nossa pauta não é mais verdadeiro. A pauta econômica deixou de ser aquilo que a gente historicamente vem defendendo desde o governo Fernando Henrique.

• A fragmentação do campo entre Lula e Bolsonaro é a morte da terceira via?

RM - Não, estou convencido que haverá um nome, que eu acho que é o Doria. A terceira via tem uma chance, que é viabilizar um nome no Sudeste. O Sul e o Centro-Oeste estão contaminados pelo bolsonarismo, e o Nordeste pelo lulismo.

O Sudeste é a região em que você tem menos contaminação pela polarização. A polarização comanda a agenda nacional ainda, e o Doria não é visto como candidato a presidente, apesar de a avaliação dele estar melhorando muito de janeiro para cá. Janeiro era sofrível, hoje é intermediária.

• Se o candidato for Eduardo Leite é mais difícil?

RM - Muito mais difícil. São dois grandes governadores. Claro que o tempo de vida, experiência, para um cargo como presidente conta muito. Não que um jovem não posso ser presidente, até porque ele [Leite] tem experiência. Mas ele vai sair de um estado bolsonarista, e quem não é bolsonarista lá é petista.

O Doria está num estado que nunca foi bolsonarista, aqui Bolsonaro foi uma opção [em 2018]. Nas pesquisas, hoje São Paulo é um estado aberto. Claro que tendo um governo bem avaliado em São Paulo, e o governo Doria vem melhorando, a probabilidade de se viabilizar no Sudeste é muito maior do que a do Eduardo Leite.

• Quem na sua avaliação é mais fácil de desalojar do segundo turno, Lula ou Bolsonaro?

RM - Só tem um para sair do segundo turno, que é o Bolsonaro. O candidato que está no nosso campo da centro-direita bate no Lula para mostrar que é diferente, mas o adversário é o Bolsonaro, que entrou no nosso eleitor.

• Lula vai tentar fazer incursões nesse eleitorado de centro-direita, não?

RM - Claro. A eleição está montada hoje para o Lula ganhar. Se você desorganizar o processo, acontece o que eu imagino, que é essa orgia fiscal inviabilizar o Bolsonaro. Quem está na Crefisa e no agiota não é o rico. Quem está no mercado paralelo de crédito é o pobre. Ele que vai acabar sentindo o aumento da inflação e dos juros.

• No governo Lula, o sr. presidia o DEM, era um dos principais líderes da oposição. O sr. acha que ele vai se apresentar com qual figurino na campanha?

RM - A gente vai ter que esperar, porque na hora que o [ex-ministro da Fazenda] Nelson Barbosa fala em tese pelo PT, você está olhando uma política mais parecida com a Dilma, mais intervencionista no Estado, na economia. O Lula dá sinais de que vai montar uma aliança parecida com 2002.

No primeiro governo foi muito difícil combater, porque ele montou com o [Antonio] Palocci uma equipe econômica muito mais convergente com o que a gente pensava do que o Paulo Guedes. Marcos Lisboa, Bernard Appy, Joaquim Levy [integrantes da equipe econômica de Lula] têm muito mais convergência com a gente. Ali tem uma cabeça do papel do Estado em relação à parte social, que no caso dos radicais liberais não tem. O Guedes não tem pensamento, a gente foi enganado. Ele não é liberal, não é nada, é um animador de auditório.

• Se o Lula vier com essa roupagem centrista, amigo do mercado, não fica mais complicado para o Doria se diferenciar?

RM - Claro que quanto mais forte a terceira via vier, mais o Lula vai ter que caminhar para o centro. Se o Bolsonaro seguir sendo o adversário dele, Lula vai poder jogar parado, não precisa se comprometer com ninguém.

Se o Bolsonaro começa a se enfraquecer, como eu acho que vai acontecer, e caminhar para menos de 20% das intenções de voto, naturalmente alguém vai ocupar o espaço, porque existe o antipetismo ainda.

• E qual espaço o Ciro Gomes pode ter?

RM - O Ciro é um candidato forte. Eu tentei levar o DEM a apoiá-lo. Quando empresários me perguntavam se eu estava maluco, eu dizia que precisávamos construir uma agenda com o Ciro na economia, porque no social não ia ter muita diferença.

O crescimento do Lula gera um desafio para o Ciro. O problema dele é por onde entra nesse jogo. Está numa estratégia de enfrentamento ao Lula. Como ele fica com o voto da esquerda? Não acho que ele vá ter muito espaço nos eleitores que deixaram Bolsonaro. Se tivesse, já tinha entrado em 2018. Vai ter que entrar num espaço mais à esquerda, e num campo nosso que respeita ele, como é o meu caso. Acho que a grande aliança para o Brasil seria do PSDB com o PDT.

• Mas realisticamente é muito difícil.

RM - Muito. Esse Brasil dividido vai precisar de um pacto nacional em 2023, porque quem ganhar a eleição vai receber o país numa situação desastrosa, uma catástrofe de indicadores econômicos, sociais, que vão estar piores do que estão hoje. A pobreza vai estar pior, o desemprego, a taxa de juros vai estar mais alta, contaminando milhões de brasileiros endividados.

• Qual seu projeto para 2022?

RM - Deputado federal pelo Rio de Janeiro. Sobre o partido ainda vou aguardar para decidir.

• O seu eleitor vai entender essa sua fase paulistanizada?

RM - Não vejo nenhum problema em ser convidado para ser secretário num tema que sempre gostei, que é a parte de concessões, privatizações, na principal economia do Brasil. Para o Rio de Janeiro, é uma demonstração de que sou um quadro importante da política nacional. É óbvio que o carioca, que sempre teve uma visão importante de Brasil, vai compreender.







26 outubro 2021

Espero que aquela turma da Lava Jato entre junto com o Moro

  

 Que nosso futuro presidente não precise colocar delegados em lugar algum para proteger-se de investigação alguma

 



Votei em um candidato que tinha uma ficha, até então limpa. Que tinha respostas rápidas e convincentes. Que tinha promessa de planos audaciosos em todas as áreas destruídas pelos canalhas comunistas. Imaginei ver todos os petistas presos e condenados a longas penas que nos livrassem para sempre da ameaça comunista. Porém, depois de eleito aquele cara honesto não era tão honesto quanto parecia e começaram a brotar fraudes de parentes e fantasmas comissionados com denúncias de rachadinha. Os filhos mais parecem aqueles filhos com pais ausentes criados pelos marginais de esquinas que andam pelo bairro fazendo traquinagens e arruaças precisando de uns petelecos. Aquelas promessas de um país melhor e a reforma da legislação que privilegia bandidos não sofreu qualquer tentativa de mudanças e o cara de respostas rápidas agora vive a destilar idiotices que colocam em sua boca. Os mesmos canalhas que manipulavam as cordas dos fantoches petistas hoje comandam as cordas do capitão inteligente e corajoso que virou um bosta retardado. Qual será o próximo golpe nas eleições que se avizinham. Espero que aquela turma da Lava Jato entre junto com o Moro e ponha todos os petistas e membros do Centrão nos seus devidos lugares, devidamente uniformizados de trajes listrados e que os novos membros da suprema corte que venham ser escolhidos sejam apenas juízes federais com ilibada conduta e alto saber jurídico para que não tenhamos nunca mais bandidos do PCC saindo pelas portas da frente dos presídios. Que nosso futuro presidente não precise colocar delegados em lugar algum para proteger-se de investigação alguma. Um presidente que não tenha uma ficha de expulsão e não precise encostar-se na vida pública para garantir riqueza a um bando de incompetentes sejam eles familiares ou apaniguados. Que todos os políticos tenham suas aposentadorias revistas e apenas possam receber qualquer pecúlio aqueles com trinta e cinco anos de serviço efetivo sem máculas ou processos por corrupção.

A PERSONALIDADE DE JAIR BOLSONARO

 


Jair Bolsonaro é um homem perdido em pensamentos delirantes. Na sua ânsia de destruir o pouco de bom que existe no País, ele ainda acha que governa, que tem alguma utilidade, que não é nazista. Sabe-se lá como sua mente maligna se formou, mas o fato é que dela não sai nada a não ser a destruição de direitos humanos, civis, de minorias e da maioria, a substituição da transparência pela obscuridade e todo tipo de ataque à democracia e de desvio autoritário. Se governa alguma coisa é só os brasileiros em direção ao precipício. Seu objetivo é calar cada uma das pessoas que não pensam como ele. Quer que todos sejam engolidos pelo esgoto onde fermenta sua ideologia de extrema-direita. Quanto à turma que o segue, se sente ofendida por qualquer coisa. São sensíveis, procuram briga. Alimentam o ódio e quando tratados na mesma medida esperneiam e perdem a estribeira. É o homem de bem que, de repente, explode em um ataque racista ou classista e exibe uma arma de fogo.
Bolsonaro é um anticristo que veio para combater o amor, espantar o alto astral e eliminar qualquer chance de redução da desigualdade social no País
Alguma coisa no fundo da mente de Bolsonaro o faz acreditar que ele vencerá sua disputa com os brasileiros decentes. Seus seguidores vão na mesma toada, achando que são virtuosos, num aterrorizante movimento messiânico, como o que envolveu o III Reich. Não passam de um bando de alucinados, um protótipo de SS, gente sem empatia e que odeia pobres e minorias mais do que tudo. Bolsonaro é um anticristo que veio para combater o amor, espantar o alto astral e eliminar qualquer chance de redução da desigualdade social no Brasil. O negócio do governo é manter uma estrutura colonial, arcaica, recuperando, a escravidão e perseguindo os oprimidos. Mas há sinais de que eles não se darão nada bem. Ninguém mais aguenta Bolsonaro. Todas as famílias brasileiras estão contando seus mortos. O destino do presidente é uma derrota humilhante na eleição que se avizinha. Se agora parecemos forçosamente mergulhados na elucubração de uma déspota, o futuro promete ser de libertação.
Vivemos num transe macabro que felizmente está mais próximo de acabar. O ovo da serpente se abriu, mas as instituições democráticas brasileiras têm uma pinça para capturar cobras. Os resultados da CPI da Covid são acachapantes e atestam que Bolsonaro agiu contra a humanidade e adotou métodos totalitários. Logo, ele será condenado pelos crimes que cometeu durante a pandemia. A nau sem rumo em que colocou a Nação não descambará para o radicalismo de direita. Bolsonaro será varrido do poder nas próximas eleições por algum sujeito melhor do que ele, o que não será difícil de encontrar.
Autor desconhecido.

31 agosto 2021

FIESP E FEBRABAN ATACAM GOVERNO BOLSONARO

 Texto preparado pela Febraban e sugerido a várias entidades para que
assinassem juntas em agosto de 2021.

= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =
Serenidade, Diálogo e Ações

As entidades signatárias deste documento veem com
grande preocupação a escalada de tensões entre
autoridades públicas, o que coloca em risco um dos
pressupostos para a funcionalidade da democracia: a
harmonia entre os poderes da República.

Esse quadro de hostilidade gera incerteza e graves
problemas econômicos, como a perda de renda e o
desemprego de milhões de brasileiros. Por isso, a
sociedade civil anseia e o momento exige de todos
serenidade, diálogo, pacificação política, estabilidade
institucional e, sobretudo, foco em ações e medidas
urgentes e necessárias para que o país ultrapasse, de
forma duradoura, os desafios hoje postos à recuperação da
economia e à superação das carências sociais que atingem
amplos segmentos da população.

Para o fortalecimento da democracia, é imprescindível que
cada ocupante de cargo público, que desempenhe os
papéis da mais alta relevância e responsabilidade sobre os
destinos do país, aja com racionalidade para distensionar o
ambiente político e dissipar incertezas quanto à nossa
capacidade de, mesmo nas diferenças, conduzirmos
adequadamente as questões do presente, resgatando
expectativas quanto ao nosso futuro.

08 agosto 2021

STF PODE TORNA BOLSONARO FICHA SUJA.

 

Leia mais aqui > https://crusoe.com.br/edicoes/o-stf-vai-a-guerra-contra-bolsonaro/

Compartilhe esse conteúdo utilizando as ferramentas de compartilhamento oferecidas na página ou pelo link: https://crusoe.com.br/edicoes/o-stf-vai-a-guerra-contra-bolsonaro/.
Nossos textos, fotos, artes e vídeos são protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo da revista em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Mare Clausum Publicações Ltda.
Compartilhe esse conteúdo utilizando as ferramentas de compartilhamento oferecidas na página ou pelo link: https://crusoe.com.br/edicoes/o-stf-vai-a-guerra-contra-bolsonaro/.
Nossos textos, fotos, artes e vídeos são protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo da revista em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Mare Clausum Publicações Ltda.
Compartilhe esse conteúdo utilizando as ferramentas de compartilhamento oferecidas na página ou pelo link: https://crusoe.com.br/edicoes/o-stf-vai-a-guerra-contra-bolsonaro/.
Nossos textos, fotos, artes e vídeos são protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo da revista em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Mare Clausum Publicações Ltda.
Compartilhe esse conteúdo utilizando as ferramentas de compartilhamento oferecidas na página ou pelo link: https://crusoe.com.br/edicoes/o-stf-vai-a-guerra-contra-bolsonaro/.
Nossos textos, fotos, artes e vídeos são protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo da revista em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Mare Clausum Publicações Ltda.

06 agosto 2021

O STF NÃO ESTÁ DO LADO DO POVO E LULA É INELEGIVEL

 Denúncia sobre suposta propina da Odebrecht a Lula foi ratificada pela Procuradoria do Distrito Federal

A Procuradoria da República no Distrito Federal ratificou à Justiça uma denúncia apresentada pela Lava Jato contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-ministro Antonio Palocci e o empresário Marcelo Odebrecht no âmbito do processo da suposta compra de um terreno para o instituto que leva o nome do petista. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Segundo os investigadores, a operação seria feita com dinheiro de propina da Odebrecht e também incluiria um apartamento para o ex-presidente. A acusação foi feita pelo Ministério Público Federal (MPF) de Curitiba e aceita, em dezembro de 2016, pelo então juiz Sergio Moro. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que Moro não tinha competência para julgar Lula, e a decisão foi anulada pelo ministro Gilmar Mendes. 

Segundo o procurador Frederico Paiva, a denúncia se baseia em “extenso lastro probatório” e não há nulidade “a ser reconhecida neste momento”. Agora caberá à Justiça analisar a denúncia, que pode ser aceita ou não.

Leia também: “Fora do STF, Marco Aurélio afirma que a Corte ‘ressuscitou politicamente Lula’”